Mestre Noza

Mestre Noza
31 de janeiro de 2019 Stefânia Sangi

Inocêncio Medeiros da Costa

(Taquaritinga do Norte, PE, 1897 – São Paulo, SP, 1983)

Mestre Noza começou seu trabalho como escultor e gravurista, produzindo estátuas de santos a pedido dos romeiros de Juazeiro do Norte (CE), para onde mudou-se ainda jovem, rótulos para marcas de aguardente e cabos de revolveres. Dizem as contações que Mestre Noza caminhou 600 quilômetros em romaria para chegar a Juazeiro. Antes de iniciar sua carreira como escultor, o artista popular chegou até a vestir farda como soldado da polícia da região de Cariri. A partir da década de 1940, passou a produzir matrizes para as capas de cordel, dando início aos trabalhos em xilogravura. Sua primeira capa foi para o folheto de José Pacheco “A propaganda de um matuto com um balaio de maxixe”.

No início da década de 1960, realizou seus trabalhos mais emblemáticos, como as 19 pranchas de “Vida de Lampião” (1962) e “Os doze apóstolos” (1962), séries de xilogravuras que antecederam a “Via Sacra” (1965), uma coleção de 15 pranchas, editada e publicada em Paris por Robert Morel, sob concepção e produção do artista cearense Sérvulo Esmeraldo. Em princípio, foram apenas 22 cópias impressas manualmente, mas o sucesso foi tanto que mais mil cópias foram realizadas posteriormente e imediatamente esgotadas.

Contraditoriamente, foi a internacionalização de seu trabalho que trouxe a visibilidade em seu próprio país, quando recebeu convites para participar de várias exposições. As cenas alegóricas vistas nas matrizes de xilogravuras esculpidas uma a uma mostram como a dureza técnica do entalhamento pode atingir um resultado de extremo refinamento na construção da imagem e, consequentemente, da mensagem a ser passada. Além disso, milhares de cópias do “Padim Ciço”, em diferentes tamanhos e formatos, confeccionadas por Mestre Noza, atualmente seguem espalhadas pelo mundo.

Hoje, a cidade de Juazeiro (CE) abriga o Centro de Cultura Popular Mestre Noza, dando suporte a mais de cem artesãos da região do Cariri.

 

Referências:

MESTRE Noza. In: ENCICLOPÉDIA Itaú Cultural de Arte e Cultura Brasileiras. São Paulo: Itaú Cultural, 2018. Disponível em: <http://enciclopedia.itaucultural.org.br/pessoa9987/mestre-noza>. Acesso em: 12 de Nov. 2018. Verbete da Enciclopédia.

GASPAR, Lúcia. Mestre Noza. Pesquisa Escolar Online, Fundação Joaquim Nabuco, Recife. Disponível em: <http://basilio.fundaj.gov.br/pesquisaescolar/>. Acesso em: 11 nov. 2018.